sábado, 18 de junho de 2016

Aliados saquearam a Alemanha Nacional-Socialista

Roubo das Pesquisas Científicas Nacional-Socialistas pelos Democratas e Comunistas

   
Fuzil de assalto automático com modernos sistemas ópticos, infravermelho, visão noturna, telescópio e unidade de energia. E quem ficou com a moral foram os americanos. Invento saqueado dos alemães.

           

Quando a II Guerra Mundial terminou, a elite da América determinou que os Estados Unidos não reincidissem em seu estado deprimente de antes da guerra, mas sim iriam revitalizar a sua economia e ter um militar de primeira classe e estabelecimento industrial. Para este fim, os avançados equipamentos militares da Alemanha, segredos aeronáuticos e industriais seriam simplesmente confiscado e transplantadas na América.

E, em seguida, algum idiota vai dizer: "Sim, mas os Estados Unidos inventaram a bomba atômica - não ficamos atrás!" 

Nomes como Einstein e Oppenheimer soam como nomes americanos para vocês?

Em agosto de 1945, o presidente Harry Truman, agindo sob o ditado de que "deve tornar certo" emitiu a Ordem Executiva 9604, ordenando a libertação e distribuição de informação científica e industrial alemã confiscada (tecnologias, invenções, métodos, processos, equipamentos, etc) para a economia civil dos EUA. Foi literalmente uma licença para roubar.

Roubar é nada de novo para os capitalistas americanos - eles roubaram todo o país dos índios! E, então não há Bill Gates que comprou DOS (a base para o Windows) a partir de um bêbado por US$ 2000. Deus me livre, que um capitalista americano iria realmente fazer qualquer trabalho.

Ordem Executiva 9604 do presidente Truman previa: "O lançamento e a divulgação de certas informações científicas e industriais até agora ou futuramente obtidos a partir do inimigo, incluindo todas as informações sobre os processos científicos, industriais e tecnológicos, invenções, métodos, dispositivos, melhorias e avanços até agora ou daqui por diante obtidos por qualquer departamento ou agência deste governo em países inimigos, independentemente da sua origem, ou em áreas libertadas se tal informação é de origem inimiga ou tenha sido adquirido ou apropriados pelo inimigo." 


O primeiro rifle de assalto automática da história foi o alemão SturmGewehr 44. Em questão de décadas, todos os países estariam usando modelos semelhantes plagiados. O famoso AK-47 russo, foi um deles. A Rússia deveria pagar pela patente indevidamente apropriada. "O projeto do Automático de Kalashnikov, de 1947, (daí AK-47) é quase um plágio do fuzil alemão SturmGewehr." Fonte: http://www.controversia.com.br/blog/ak-47-a-arma-do-seculo/

"Já o Mikhail Kalashnikov, ao completar 90 anos, em 2009, deu várias entrevistas. Um repórter mais desinibido, corajoso e abelhudo perguntou sobre a cópia. O general foi evasivo, suou a testa e admitiu o que estava na cara: confessou ter recebido ajuda de ''técnicos'' alemães. Os russos também copiaram uma pistola alemã (a Walther (abaixo), da família daquela do 007) a arma curta atual de seu exército, que chamaram de Makarov."
Fonte: http://hadrielf.blogspot.com.br/2013/12/a-historia-do-ak-47.html


Na foto, uma pistola 9 mm Walther P38 alemã.
Fonte: http://www.guns.com/2014/01/17/walther-p38-godfather-modern-combat-handgun/

Como os militares americanos começaram a ocupar a Alemanha, que inicialmente se concentrou em localizar e proteger o avançado equipamento militar alemão usado na guerra. No verão de 1944, os Estado Maior Aliado criou equipes militares e civis, o chamado Joint Intelligence Objectives Committee (JIOC), que era seguir os exércitos invasores e descobrir da Alemanha, os ativos científicas e industriais militares. Unidades "Field Intelligence Agencies" (unidades FIAT) vasculharam o campo por bens/ativos econômicos alemães. Enquanto os militares dos EUA não tiveram nenhum escrúpulo em confiscar equipamento militar alemão, alguns hesitaram e eventualmente, se recusaram a participar na apreensão por atacado de bens comerciais e industriais alemães, considerando tal ação não dentro de sua autoridade. Mais do que alguns oficiais honrosos do Exército dos EUA, liderados pelo general Lucius D. Clay, intercederam com os formuladores de políticas de ocupação civil em nome dos alemães para parar o saque.

Em relação à legalidade dos confiscos de propriedade alemã pelos EUA, William G. Downey, chefe do Direito Internacional Filial do Exército em Juiz advogado-Geral da República, citando extensivamente as regras da Convenção de Haia sobre a apreensão de bens privados inimigos, escreveu: "É um princípio geral do direito internacional de guerra que a propriedade privada inimiga não podem ser apreendidos a menos que seja suscetível de dirigir-se a uso militar. Um exército de ocupação só pode tomar posse ... de bens pertencentes ao Estado." 

O roubo da propriedade intelectual não é nova, mas a extensão e crueldade do que as superpotências fizeram na Alemanha em 1945-1948 foi sem precedentes. Os Estados Unidos e a União Soviética, literalmente, roubaram todas as lojas existentes de patentes alemãs, projetos, invenções e marcas. Alemães que não eram próxima para informar as forças de ocupação norte-americanas sobre a existência e localização de tais registros poderiam ser presos, punidos e até mesmo ameaçado de morte por "informação insuficiente". Para garantir que os aliados teriam uma cabeça intransponível começar em explorar as patentes, os alemães foram proibidos de usar ou se referir a suas próprias invenções depois de terem sido confiscados. O Escritório de Patentes Alemão foi fechado pelos Aliados e não reabriu por vários anos. Quando o fez reabrir, o primeiro número atribuído foi de 800.001, o que indica que cerca de 800.000 patentes originais haviam sido saqueadas pelos Aliados. Como resultado, nos anos do pós-guerra, com a Alemanha prostrada e roubada de sua propriedade intelectual, os EUA e a Rússia logo surgiram como as duas superpotências em um mundo bipolar.

Imagem relacionada
B-2 Spirit ou Stealth B-2 é um bombardeiro projetado secretamente na famosa área 51 pelas empresas Northrop Grumman, General Electric e Boeing. Seu voo inaugural foi em julho de 1989.
   
[image]
                Horten Ho-22, protótipo alemão.



As aeronaves invisíveis ao radar (como o F-117 ou B-2), são baseados em estudos do físico alemão Arnold Sommerfeld. A mesma B-2 é baseado no alemão Horten Ho-229.

Imagem relacionada
Fonte: http://blogdomigueljunior.blogspot.com.br/2010/06/horten-ho-ix-gotha-go-229-o-1-aviao.html



O "malvado nazista" Wernher von Braun, fundador da NASA:
         
O engenheiro e projetista de foguetes alemão Wernher von Braun foi um dos grandes responsáveis pela criação da NASA.

Embora os americanos hoje achem difícil de acreditar que seu país era uma vez uma nação retardatária em inovações científicas e industriais, que era, até que as hostilidades começaram no final de 1941.América sob o presidente Franklin Roosevelt não conseguiu tirar o país do marasmo da depressão, e enquanto a economia, depois de ter sido colocado em uma base em tempo de guerra, era insuperável em seu volume de produção, os seus produtos, incluindo hardware em tempo de guerra, eram inferiores às da máquina alemã. Produção em massa - quantidade em vez de qualidade – caracterizou a fabricação norte-americana.

Mesmo durante a guerra, os Estados Unidos não era particularmente conhecido por grandes avanços na ciência pura ou tecnologias inovadoras. A Fundação Nacional de Ciência trouxe este déficit nas capacidades americanas bruscamente para a atenção do governo em um relatório 1946, indicando, entre outros fatores, que até essa data os Estados Unidos tinham sido o lar de apenas quatro ganhadores do Prêmio Nobel de Química, em comparação com 37 destinatários na Europa, oito vencedores dos EUA em Física e 39 na Europa, e seis em Medicina, a 37 na Europa. A maioria destes prêmios foram atribuídos a alemães e austríacos.

Embora os analistas militares do mundo inteiro agora reconhecem a superioridade do hardware alemão da Segunda Guerra Mundial, poucos, no entanto, estão cientes de que cientistas alemães haviam feito grande parte do trabalho de base científica pioneira no desenvolvimento de muitas tecnologias industriais do pós-guerra e produtos para uso civil. Em bens de consumo e os avanços da medicina, os alemães sob o nacional-socialismo estavam desfrutando de televisão e fotografia a cores uma década antes do público americano poderia comprar seus primeiros conjuntos de preto-e-branco. O governo nazista tinha modernizado o sistema viário na Alemanha na década de 1930 com o Autobahn, e a Volkswagen começou a produzir o "Fusca", para que todos os cidadãos podiam dar ao luxo de possuir um automóvel. Não foi até a década de 1950, sob a presidência de Eisenhower, que os Estados Membros comprometeram-se a construção de um sistema de auto-estrada moderna.

Cientistas alemães estabeleceram uma ligação entre tabagismo e câncer na década de 1930, mas uma forte resistência das empresas americanas de tabaco impediu o povo americano de ter acesso a esse conhecimento, até 20 anos após a sua descoberta. Eles estudaram os efeitos do ar positiva e negativamente ionizado sobre as condições de saúde, desenvolvido drogas que melhoram o desempenho, e introduziu outros tratamentos inovadores e terapêuticos que são prática comum hoje em todos os lugares. Durante a guerra, os alemães também tinham desenvolvido um plasma de sangue sintético (capain), um substituto líquido do sangue (periston) e penicilina sintética, substituto 3065.

A pílula anticoncepcional revolucionária, cuja descoberta foi anunciada nos Estados Unidos em 1951, também teve suas origens em investigações realizadas nos laboratórios da Universidade de Gottingen, na Alemanha, na década de 1940. Químico Carl Dierassi, que emigrou para os Estados Unidos a partir de Viena, pouco antes da guerra, trabalhou com farmacologistas Gregori Pincus e John Rock para introduzir "Enovid" no mercado americano, protegido por uma patente nos EUA, na década de 1960.

A Alemanha, como o Japão, foi e continua sendo uma das nações com pouco ou sem recursos, pequena no tamanho e que precisa de recursos naturais. O desenvolvimento de sintéticos (ersatz) produtos de todos os tipos é essencial para a existência alemã, especialmente em tempos de guerra. Necessidade é a mãe da invenção, os químicos alemães comprometeram-se a fornecer substitutos para as deficiências da Mãe Natureza.

Um dos maiores lanços de informações classificadas colhidas pelos Aliados veio de laboratórios e fábricas da IG Farben, um sindicato com laços estreitos americanas que realizou um monopólio quase completo sobre a produção de produtos químicos. Química, obviamente, foi a base para a criação da maioria dos sintéticos. O enorme edifício IG Farben em Frankfurt, que abrigava documentos de valor estimável, foi 'milagrosamente' poupado durante a Segunda Guerra Mundial da orgia dos bombardeios, provando que uma melhor precisão dos bombardeios foi possível se os Aliados assim desejassem. As abóbadas do Edifício Farben continham informações sobre segredo industrial, entre outros, combustíveis líquidos e sólidos, metalurgia, borracha sintética, têxteis, produtos químicos, plásticos, medicamentos e corantes. Fórmulas secretas foram obtidos para mais de 50.000 corantes, muitos mais rápido e melhor do que nas democracias.

Image
No alto, quase no centro pela direita, vemos o prédio intacto da IG Farben e a cidade de Frankfurt arrasada após severos bombardeios. Abaixo uma foto do prédio somente.

         Resultado de imagem para a IG Farben

Vários oficiais do Exército dos EUA estacionadas no Edifício Farben após a guerra comentaram que o valor dos arquivos e registros confiscados teriam sido sozinhos suficientes para financiar a guerra.

No mundo digital, por exemplo, pré-guerra e em tempo de guerra os cientistas alemães tinham estado na vanguarda de importantes desenvolvimentos, desde o relógio de quartzo, semicondutores, tecnologia de silício e transistores para o primeiro computador. Entre outros, os pesquisadores alemães Herbert F. Matere e Heinrich Welker, trabalhando com Zeiss, Siemans e do Instituto Kaiser Wilhelm de Pesquisa do Silicato, foram os primeiros a desenvolver o processo para a produção industrial de circuitos e transistores integrados.

Vários oficiais do Exército dos EUA estacionadas no Edifício Farben após a guerra comentaram que o valor dos arquivos e registros confiscados teriam sido sozinhos suficientes para financiar a guerra.

No mundo digital, por exemplo, pré-guerra e em tempo de guerra os cientistas alemães tinham estado na vanguarda de importantes desenvolvimentos, desde o relógio de quartzo, semicondutores, tecnologia de silício e transistores para o primeiro computador. Entre outros, os pesquisadores alemães Herbert F. Matere e Heinrich Welker, trabalhando com Zeiss, Siemans e do Instituto Kaiser Wilhelm de Pesquisa do Silicato, foram os primeiros a desenvolver o processo para a produção industrial de circuitos e transistores integrados.

O ponto culminante destes avanços na física de estado sólido e instrumentação digital na Alemanha Nazista foi o desenvolvimento pioneiro em tempo de guerra da computação, o Z4. Engenheiros Konrad Zuse e Helmut Schreyer em Berlim desenvolveram estes primeiros computadores. Zuse de laboratório e modelos anteriores do seu computador, que data de 1937, foram destruídos em bombardeios durante a Batalha de Berlim, mas na era pós-guerra imediato, Zuse foi capaz de reconstruir uma Z4 totalmente operacional em 1949, vários meses antes da estréia do Eniac dos EUA. Zuse também é creditado por ter desenvolvido a primeira linguagem de computador programável, 'Plankalkül'.


A terceira máquina de Zuse, o Z3, construído em 1941, foi provavelmente o primeiro operacional, de uso geral, programável (isto é, controlado por software) computador digital. Sem o conhecimento de qualquer cálculo, os inventores da máquina desde Leibniz (que viveu na década de 1600), Zuse reinventou o conceito de programação de Babbage e decidiu por conta própria empregar representação binária para números (Babbage tinha defendido decimal). O Z3 foi destruído por um bombardeio aliado. O Z1 e Z2 tiveram o mesmo destino e o Z4 sobreviveu apenas porque Zuse arrastou-o em um vagão para as montanhas. Realizações de Zuse são ainda mais incríveis, dado o contexto do material e falta de pessoal na Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial. Zuse não poderia obter uma fita de papel, então ele mesmo  teve que fazer a sua própria perfurando buracos num filme filme descartado. Como essas máquinas eram desconhecidos fora da Alemanha, elas não influenciaram o caminho da computação nos Estados Unidos. Mas a sua arquitetura é idêntica à que ainda está em uso hoje em dia: uma unidade aritmética para fazer os cálculos, uma memória para armazenar números, um sistema de controle para supervisionar as operações e os dispositivos de entrada e saída para conexão com o mundo externo. Zuse também inventou o que pode ser a primeira linguagem de computador de alto nível, "Plankalkül", embora ele também era desconhecida fora da Alemanha. 
Fonte: http://www.oxfordmathcenter.com/drupal7/node/11

Da maior importância para todas as nações industriais, e para a Alemanha, em particular, para a guerra, foi a necessidade de uma fonte confiável de energia para alimentar as fábricas, aquecer as casas, e abastecer os navios, aviões e veículos das nações.

Alemanha possuía carvão, mas não óleo. Químicos alemães enfrentaram o desafio de forma rápida e com sucesso através do desenvolvimento, tanto da Fischer-Topische e os métodos de hidrogenação de conversão (liquefação) de carvão em óleo e, a partir do petróleo, para fazer lubrificantes e gasolina. No decurso da guerra estas plantas foram sendo gradualmente movidas para o subsolo para proteger dos bombardeios. Depois da guerra, os aliados confiscaram todas as patentes e registros no projeto e operação de hidrogenação e plantas Fischer-Topische e proibiu os alemães de uso de plantas existentes ou desenvolver novas, tornando-os dependentes do petróleo importado. Por exemplo, 10% do Plano Marshall teve que ser usado para comprar petróleo americano.

A Alemanha também é dito ter inventado um processo de destilação para a separação de gasolina a partir do petróleo pelo uso de vibrações de frequência audíveis. A auto-suficiência na geração de energia é essencial para a soberania e independência de todas as nações. Tão importante é o fator de potência que a planejada ferrovia Berlin-Baghdad-Basra é dita ter sido tão decisiva para a declaração britânica de guerra contra a Alemanha na Primeira Guerra Mundial como o desenvolvimento de processos Fischer-Topische e de hidrogenação na Alemanha foi para a declaração britânica de guerra na Segunda Guerra Mundial. Enquanto a Grã-Bretanha e a França controlassem os campos de petróleo do Oriente Próximo, a Alemanha jamais teria livre acesso, nem os aliados queriam ver a Alemanha ganhar a independência do petróleo por meio de seus processos de conversão recentemente desenvolvidos.

Em matéria de energia nuclear, os cientistas alemães em Berlim estavam fazendo estudos de viabilidade das possíveis utilizações da energia nuclear para a propulsão de navios e submarinos, já em 1941. Além disso, as possibilidades de emprego de reatores nucleares para veículos terrestres também estavam sendo exploradas.

Para listar apenas alguns dos muitos avanços tecnológicos de interesse do consumidor, a indústria alemã desenvolveu mica sintética, safiras sintéticos, motores diesel, plásticos, máquinas de raio-tecelagem, o processo de extrusão a frio, pasteurização do leite UV, esterilização suco de fruta sem calor, técnicas de preservação de comida, fitas magnéticas, aparelhos de visão noturna infravermelha, orientação a laser e assim por diante. As patentes, modelos de teste e protótipos de todos os itens acima foram simplesmente tomadas e explorado por seus novos proprietários.

No momento em que a guerra terminou, a Alemanha tinha 138 tipos de mísseis guiados em vários estágios de desenvolvimento e produção, bem como todas as orientações experimental e operacional concebíveis e sistemas de desencadeamento (radar, rádio, fios, ondas de rádio contínuos, acústicos, infravermelho, feixes luminosos e magnetismo) para seu esforço de guerra. O 'foguete' que lançou os Estados Unidos na superpotência reino era alemão. A União Soviética também copiou o armamento alemão, mas em grande parte ignorada produtos de consumo.

É claro que é impossível determinar exatamente o quanto o confisco, a venda, e a exploração industrial das patentes alemãs enriqueceram os Estados Unidos e Israel em dólares. Prof John Gimbel, em seu livro Ciência, Tecnologia e Reparações: Exploração e Pilhagem na Alemanha Pós-Guerra, estima as “reparações intelectuais" feitas pelos EUA e o Reino Unido ascenderam em cerca de US$ 10 bilhões.

Em 1952, a editora Herbert Grabert arriscou uma estimativa de US$ 30 bilhões. Convertido em dólares de 2008 essas estimativas atingiriam centenas de bilhões. Se o saque tomado pela União Soviética também forem levados em conta, a soma provável chegaria a US$ 1 trilhão. Uma infusão desse montante na economia dos EUA ao longo de um período de anos explica facilmente a prosperidade do pós-guerra dos EUA.

Em outras palavras, tudo o que você pensa que sabe é besteira.

Quem está no topo hoje?

China e (você adivinhou) da Alemanha. A História tem visto sucessivas países por um tempo desfrutar de uma posição de liderança na potência mundial, só para ver a passagem de bastão para as nações concorrentes. O capitalismo americano é famoso por ignorar o fato de que o domínio futuro é baseado em educação e pesquisa. Eles acreditam que só a elite deve ser educada. Estamos testemunhando os resultados desta estupidez hoje. China está atualmente em melhor posição para ultrapassar os Estados Unidos em que os chineses têm talento, a unidade, a geografia e o mais importante, graças à globalização, a riqueza (em dólares) para comprar o que eles exigem.

A fim de garantir a sua sobrevivência no mundo de amanhã, os Estados-Membros terão de manter uma base científica, engenharia e tecnológico inovadora.

E, essa é a verdade!

Fonte: http://platru.blogspot.com.br/2013/05/theft-of-nazi-scientific-research.html

A indústria automobilística alemã com suas criações e arrojo dispensam comentários. São famosos ainda hoje e despontaram durante aquele governo.

Adolf Hitler durante um passeio de carro de corrida Mercedes de Caracciola de 1935 Stock Photo
Adolf Hitler observando um carro de corrida da Mercedes em 1935.

Mittlere Schutzenpanzerwagen Sd.Kfz 251/20 "Uhu" (imagens abaixo), é uma variante que foi projetado para ser usado como um holofote móvel para unidades de tanques de combate noturnos de infantaria.



         

A visão infravermelha "Biwa" (ligado a armas) com uma faixa de observação de 300 a 400 metros ainda estava sendo desenvolvida. Finalmente, em outubro de 1944, 10 unidades m.SPW (Sd.Kfz.251) foram transferidos diretamente a uma empresa para a instalação do equipamento "Uhu" (coruja).

Esta unidade era para ser emitido 10 Panthers com FG1250 vistas infravermelhas e três Sd.Kfz.251 / 20 construídos com BG1251 (Uhu). Em 26 de março de 1945, o Major Woellwarth e Hauptmann Rietz informou sobre a ação da primeira empresa com mira infravermelha para o combate à noite. O equipamento infravermelho tinha sido realizado com sucesso, sem quaisquer avarias.

O dispositivo do "uhu" foi projetado para ser o principal dispositivo de iluminação para o "Sperber" projetado nachtkampfgruppen (unidades de combate da noite), equipados com panteras e Granadeiros usando STG-44 rifles com o escopo vampyr de visão noturna. Não está claro se os "Uhu" e "unidades de Sperber" foram realmente utilizados em combate neste estágio muito tarde da guerra.

Fonte: http://www.ww2aircraft.net/forum/ww2-general/special-purpose-panzers-17604-2.html

O Arado Ar 234 (imagem abaixo) foi um avião de combate a jato da Alemanha nazista usado na Segunda Guerra Mundial. O Ar 234 foi o primeiro avião bombardeiro e de reconhecimento a jato da história, também ele inovou em ter sido o primeiro a ter piloto automático e ser provido com pára-quedas de frenagem.

Resultado de imagem para Arado Ar 234

Foi projetado inicialmente como avião de reconhecimento, porém poucos operaram antes do final da guerra. O bombardeiro operou em tão baixo número que não teve influência alguma no curso do conflito, embora os de reconhecimento obtivessem melhores resultados, voando praticamente imunes aos caças aliados graças à sua grande velocidade.

            


Mesmo assim, a fábrica de aviões Arado desenvolveu uma série do mesmo aparelho (Ar 234C) com quatro turbinas, visando ainda mais velocidade. O Ar 234 demonstrou grande valia como avião de reconhecimento, durante a invasão da Normandia pelas forças aliadas, o avião fotografou os desembarques de tropas e cargas nas praias, dando a Wehrmacht a real dimensão da força inimiga. Em 1945, a versão bombardeiro do Ar 234 teve participação na ofensiva alemã nas Ardenas, bombardeando aeródromos aliados.

        

O aparelho também teve uma versão de caça noturno, mas não se tem registro que tenha conseguido algum abate.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Arado_Ar_234, acessado em 18/11/2014 às 20:13 hr.


Me262, Me163, He162, são modelos de aviões a jato da Alemanha Nazista, aqui filmados na Rússia:


Nestas cenas vemos os americanos checando as armas secretas alemãs (Bachem Ba 349 e Ruhrstahl X-4), em 1945, também saqueadas do regime Nacional-Socialista:






E a pirataria não termina. Neste vídeos vemos os americanos mostrando orgulhosos aviões pilhados dos alemães:


Nada mal essa pilhagem toda para nações atrasadas como as democracias americana e inglesa e a comunista. E ainda assim não acabou, tem mais.

A origem da ‘caixa-preta’ dos aviões. 

A primeira caixa-preta foi idealizada por Adolf Hitler após a morte de seu amigo, engenheiro e ministro Fritz Todt, num suspeito acidente aéreo, em fevereiro de 1942. Desde então, os aviões importantes da Luftwaffe, a força aérea alemã, eram obrigados a ter instalado o dispositivo que gravava magneticamente as conversas dentro da cabine de pilotagem. No entanto, a invenção de seu primeiro protótipo é atribuída ao Dr. David Warren na Austrália em 1953 porque após a derrota alemã na Segunda Guerra Mundial o mecanismo ficou esquecido.

A caixa-preta revolucionou a aeronáutica. Segundo as normas internacionais de aviação, as caixas-pretas são obrigatórias em todos os voos comerciais, já que registram os dados de viagem e são fundamentais na investigação de acidentes aéreos. E graças a elas, nove em cada dez acidentes podem ser explicados.

U-Boot Type XXI foi um revolucionário submarino alemão da Kriegsmarine que atuou durante a Segunda Guerra Mundial:

     
          Tipo XXI ancorado em Wilhelmshaven após o final da guerra.

No desenho de seu casco houve uma grande preocupação com a hidrodinâmica: todas as estruturas que pudessem causar algum arrasto (como o canhão) foram eliminadas. O resultado é que com este novo formato ele ganhou mais velocidade quando submerso.

Também oferecia melhores acomodações para seus ocupantes. Possuía freezer para conservação dos alimentos, chuveiro e lavatório. Assim uma tripulação que normalmente poderia ficar semanas no mar em missão de patrulha sem tomar banho ou mesmo barbear-se teria melhores condições de alojamento e trabalho.


O último U-Boot Type XXI no Museu Marítimo Alemão em Bremerhaven, Alemanha.

Era equipado com sofisticados instrumentos eletrônicos: radares, sonares passivos e detectores de ondas eletromagnéticas.


Diagrama do Tipo XXI.

Seu armamento incluía 23 torpedos ou 17 torpedos + 12 minas. Possuía seis tubos de lançamento localizados na proa. Era equipado com um sistema hidráulico de recarga que possibilitava lançar 18 torpedos em menos de 20 minutos.

Sua velocidade na máxima na superfície era 15,5 nós (29 km/h), 17,5 nós submerso (32 km/h) com alcance máximo de 15.500 milhas náuticas (28.706 km).
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Submarino_alem%C3%A3o_Tipo_XXI, acesso em 18/11/2014 às 20:58 hr.

Este submarino Type (Tipo)  XXI foi realmente um dos grandes projetos de desenvolvimento de submarinos. Se ele chegasse a ser concluído e entrado em serviço, teria suscitado problemas quase insuperáveis para os Aliados. Mesmo que ele nunca se tornou totalmente operacional, tornou-se o protótipo para todos os futuros submarinos convencionais, e até mesmo influenciou o design dos primeiros submarinos nucleares. Esta foi mais uma ideia saqueada dos alemães pelos Aliados.


Veja também "Contribuição nazista ao Brasil":
http://desatracado.blogspot.com.br/2014/11/contribuicao-nazista-ao-brasil.html

"Nova York comemora 10 anos da implementação de lei nazista":
http://desatracado.blogspot.com.br/2013/11/nova-york-comemora-10-anos-da.html

"Ficção não existe mais":
http://desatracado.blogspot.com.br/2013/12/ficcao-nao-existe-mais.html

Como podemos ver neste resumido artigo, há muitíssimo mais a ser pesquisado, quase tudo que se fala desta guerra são mentiras. Os EUA, Inglaterra e o siono-comunismo soviético invejavam o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico e humano da Alemanha Nacional-Socialista, pois que saquearam todas as patentes e descobertas, sequestraram todos os seus cientistas, pesquisadores e engenheiros. Eram nacionais-socialistas também, por que também não foram enforcados junto com os demais no "Tribunal" de Nuremberg?

Lendo o artigo, podemos claramente entender porque áreas populosas e civis eram pesadamente bombardeadas, enquanto regiões com concentração tecno-científicas e industrias eram poupadas. Estavam pensando na pilhagem muito antes da guerra terminar.

Cada vez surgem mais provas que Hitler não queria a guerra, que armaram para cima da Alemanha e seu laborioso povo, que dos aproximadamente 17 milhões de alemães que morreram naquele período, 12 milhões morreram APÓS a guerra ter terminado. Vieram a falecer de fome, frio, fuzilamentos em escala industrial, milhares de estupros como nunca se viu, por falta de remédios propositalmente, etc, tudo acontecendo de forma planejada insana e criminosamente, praticada tanto pelos russos, como pelos britânicos, judeus e americanos, com envolvimento direto da Maçonaria e banqueiros de Londres e Wall Street.  Por isso o desespero que têm dos revisionistas mostrarem os fatos.

Os rótulos e acusações aos revisionistas não passam de mentiras e contorcionismos usadas como tática para distrair as pessoas dos reais e ainda impunes crime e criminosos desta tão infame e mal esclarecida guerra movida nas sombras pela Nova Ordem Mundial contra uma Alemanha que tinha como seu único "pecado" querer corretamente se ver livre dos que hoje governam o mundo mais hoje que naquele tempo.

Abraços

8 comentários:

  1. Além disso tudo que você escreveu aqui, eu acrescentaria também que o principal fator da riqueza e crescimento americano pós-Segunda Guerra, foi a obrigação do mundo adotar o Dollar como "moeda-ouro", substituindo o padrão-ouro na economia.

    Após Segunda Guerra, qualquer negócio, transação econômica, acordos financeiros, etc etc etc, que fossem realizadas na economia mundial, teria a partir de então usar a moeda americana nos negócios.

    Se não tivesse acontecido isso, os Estados Unidos não seria essa tal superpotência; poderia até ser um país rico, mas não tão forte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A substituição do padrão ouro no dólar ocorreu quase 30 anos depois. Foi em 15 de agosto de 1971 quando o presidente Richard Nixon decidiu acabar com a paridade dólar-ouro, e ratificada pelo FMI em 1973. Dali por diante, a moeda norte-americana seria apenas uma "fiat currency" (fiat, do latim, significando "faça-se", ou "cumpra-se"; e currency, do inglês "moeda", "dinheiro"), ou seja, o ouro não seria mais o garantidor do valor do dólar, mas, a palavra do governo americano, respaldada pelo seu tesouro nacional e pela baioneta. Em verdade, o maior beneficiário foi o FED. Quem criou e controla o FED?

      OS EUA se tornaram ricos com guerras, protecionismo e principalmente com a pilhagens de inventos, ciência e tecnologias alemãs notadamente (Operação Paperclip) conjuntamente com seus inúmeros cientistas, inventores e engenheiros, até espiões da Gestapo. Por conta disso deram um salto tecnológico sem precedentes. Além da destruição da concorrência com sua posterior reconstrução e financiamento dessa mesma destruição por eles mesmos causados. Vide Plano Marshall e mais recentemente o Iraque.

      Excluir
  2. Meu caro Carlos Cobalto,

    Congratulações sinceras pelo trabalho bem feito. Eu acompanho seu blog há uns dois anos e tenho visto muita, mas muita coisa interessante e também muitas polêmicas. Também, o que poderíamos esperar dum blog? O texto sobre a Operação Paper Clips -este o codinome do saque da tecnologia Nacional-Socialista Alemã-, está impecável, a não ser por um pequeno detalhe, a imagem mostrada como o caça-bombardeiro invisível F-117 Nighthawk está equivocada, na verdade, a aeronave mostrada ali é o bombardeiro B-2 Spirit, que também possui a tecnologia Stealth e, apenas para variar, foi decalcado dos caças projetados pelos espetaculares Irmãos Horten. Na verdade, o B-2 Spirit é a cópia quase exata do caça alemão Horten HO IX ou Gotha GO 229. Ah, antes que eu me esqueça, faltou algo sobre os famosos e lendários Haunebus alemães; eis aqui o motivo pelo qual nunca acreditei em discos voadores...
    Uma vez, lendo um autor amestrado e cúmplice dos crimes dos Aliados na II Guerra Mundial, li uma frase que me deixou perplexo. Ele dizia, entre outras coisas, que a partir de 1933, a Alemanha entrou num caminho tecnológico completamente diferente daquele seguido pelos demais países do mundo nos séculos anteriores. Era como se a Alemanha tivesse entrado em outra dimensão tecnológica e humana. Acho que, mesmo querendo criticar o Führer Adolf Hitler, ele acertou na mosca! O homem de Linz adorava novidades tecnológicas que pudessem melhorar as vidas das pessoas e sempre estava disposto a investir em soluções inteligentes.
    De resto, meu caro, receba meus sinceros respeitos pelo trabalho sério que faz.

    Fábio Siqueira Batista
    Professor de História e Nacional-Socialista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigido e me desculpe a falha, caro Fábio.

      Sim, ficou muita coisa de fora nesta postagem. Nem tem como colocar tudo. Como diz o texto, "cerca de 800.000 patentes originais haviam sido saqueadas pelos Aliados"! Resolvi ficar sobre algumas das tecnologias alemãs hoje mais cotidianas, por isso não inclui os Haunebus nem o Die Glocke. Até porque para comprovar a enorme dianteira tecnológica alemã em relação ao resto do planeta, não há necessidade de citar esses aparatos.

      Abraço e obrigado pelas visitas.

      Excluir
  3. Esse termo Nazismo é pejorativo. Penso que é uma criação dos "sionistas". Certo? ou não! Não uso em meus comentários. Uso o termo Nacional Socialismo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Certo.

      "Nazi (also the cognates Nazism and Neo-Nazism) is a political epithet invented by Konrad Heiden (7 August 1901 – 18 June 1966) during the 1920s as a means of denigrating the NSDAP and National Socialism.[1] Heiden was a journalist and member of the Social Democratic Party of Germany, whose mother was a Jewess. The term is both an imitation of the nickname given to Marxists of the SDP at the time, Sozi, ... "

      Continue lendo http://en.metapedia.org/wiki/Nazi

      "It’s time to debunk the “Nazi” epithet, and to show you where it came from, who invented it, and why. The fact is, that the term “Nazi” was created by the enemies of the National Socialists (the NSDAP). It was a pejorative term; an insult or a slur. The Germans, not even Hitler nor any other top party officials ever called themselves “Nazis”! They called themselves “National Socialists” and nothing else. Those who can read German and have studied any of the original documents and speeches know this already, but most don’t."

      Continue lendo
      https://aladinsmiraclelamp.wordpress.com/2016/04/09/exposing-the-nazi-epithet-who-started-it-why-how-and-who-benefits/

      “NAZI’S” NEVER EXISTED. THERE WAS NEVER ANY SUCH ORGANISATION AS NAZI’S OR A NAZI PARTY
      Leia em http://smoloko.com/?p=11570

      Discurso de ódio, opressão, genocídio, retrógrado, "nazi", intolerância:
      http://www.national-socialism.com/wp-content/uploads/2014/01/BNS5mYsCUAAaTBo.jpg-large.jpeg

      https://qph.is.quoracdn.net/main-qimg-aabfe213433f371f26ea8010738495b3?convert_to_webp=true

      http://www.westernspring.co.uk/wp-content/uploads/2015/11/Wehrmacht-Soldiers-Comfort-Child-2.png

      Democracia, República, liberdade, evolução, tolerância, expressão, "direitos":
      https://3.bp.blogspot.com/-7BRQQZvQuoc/V0tydybHkhI/AAAAAAAAQoo/4YgNlegLDvERXU7dcaj8ZdPXsiV2SePWgCLcB/s1600/funkinfantil.jpg

      https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTAnSvGA34AFIc3OGR3xHlohUDOoQyOtfML44JPrjdvkZUbOuuTnA

      https://encrypted-tbn2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRMzs17g8Hp46It46p1qxQ0J4d3aPwyDU_6mOt6oMmwSY5-T5s9

      http://i2.wp.com/minutoprodutivo.com/wp-content/uploads/2016/05/mulher-roupas-arrancadas1.jpg?resize=618%2C311

      https://i.ytimg.com/vi/CJoOsRtBoJY/maxresdefault.jpg mas o problema são os negadores do holoconto, os revisionistas, os "nazis".

      Abraço e tudo certo aí?

      Excluir
  4. Não havia mais nada impossível para eles... Moscou era apenas um terço do caminho... Eles iriam arrombar as portas do "céu"...

    ResponderExcluir

"Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário."
George Orwell

"Até que os leões tenham seus próprios historiadores, as histórias de caçadas continuarão glorificando o caçador."
Eduardo Galeano

Desejando, expresse o seu pensamento do assunto exposto no artigo.
Agressões, baixarias, trolls, haters e spam não serão publicados.

Seus comentários poderão levar algum tempo para aparecer e não serão necessariamente respondidos pelo blog.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do autor deste blog.

Agradecido pela compreensão e visita.